terça-feira, 20 de novembro de 2012

Sertaneja

É uma canção de René Bittencourt (1917-1979) e foi o primeiro sucesso do compositor, tendo sido gravada por Orlando Silva na R. C. A. Victor, em 1939.

De uma simplicidade comovente, este bucólico canto de amor à mulher sertaneja seria uma das composições mais cantadas em todo o Brasil nos anos seguintes ao seu lançamento, em julho de 1939.

Todo amador com pretensões a se tornar um novo "cantor das multidões", inscrevia-se num programa de calouros (que na época vivia o auge da popularidade) para cantar: "Sertaneja se eu pudesse / se Papai do Céu me desse / o espaço pra voar / eu corria a natureza / acabava com a tristeza / só pra não te ver chorar...".

Incluída entre os maiores sucessos de Orlando Silva, "Sertaneja" seria superada em popularidade apenas por três ou quatro canções de seu repertório, como "Carinhoso" e "Lábios Que Beijei". Curiosamente, seu autor, o compositor, jornalista e empresário artístico, René Bittencourt, não era do sertão, tendo nascido na Ilha de Paquetá e vivido no Rio de Janeiro.

Triste observarmos como o compositor ficou esquecido pois não há a disposição nenhuma imagem do compositor.

SERTANEJA
(René Bittencourt)

Sertaneja se eu pudesse
Se papai do céu me desse
O espaço pra voar
Eu corria a natureza
E acabava com a tristeza
Só pra não te ver chorar
Na ilusão desse poema
Eu roubava um diadema
Lá do céu pra te ofertar
E onde a fonte murmureja
Eu erguia tua igreja
Dentro dela teu altar
Sertaneja
Porque choras quando eu canto?
Sertaneja
Se esse canto é todo teu
Sertaneja
Pra secar os teus olhinhos
Vai ouvir os passarinhos
Que cantam mais do que eu
A tristeza do meu pranto
É mais triste quando eu canto
A canção que eu te escrevi
E os teus olhos neste instante
Brilham mais que a mais brilhante
Das estrelas que eu já vi
Sertaneja, vou-me embora
A saudade vem agora
Alegria vem depois
Vou subir por essas serras
Construir lá em outras terras
Um ranchinho pra nós dois.

Um comentário: