quarta-feira, 21 de novembro de 2012

No Dia Em Que Eu Saí de Casa

A toada “No Dia em que Eu Saí de Casa” é uma toada composta pelo goiano Joel Marques ( 1952 ) , no ano de 1992.

A canção estourou quando fez parte da trilha sonora do filme “Os Dois Filhos de Francisco”. Talvez por esse motivo grande parte das pessoas credita a autoria à dupla Zezé Di Camargo e Luciano.

A inspiração que deu origem à música é contada pelo próprio autor, Joel Marques:

"No dia em que eu saí de casa, foi exatamente assim:
havia combinado com minha mãe que eu viajaria mesmo contra a vontade do meu pai, pois ela já não agüentava mais a minha falação na orelha dela quase todo dia, então no dia anterior combinamos que eu não iria trabalhar e tomaria meu rumo. Peguei uma mochila, daquelas que os hippies usavam, coloquei nela algumas roupas, e fui saindo devagar, minha mãe me acompanhava passo a passo, desde o quarto, passando pela sala, e finalmente na área, onde em muitos lugares conhece-se como alpendre, e ali paramos, eu a abracei, bem apertado, deu um nó na garganta mas a vontade de partir era tanta que esqueci de chorar, ela me segurou mais do que eu e logo depois eu desci as escadas, virei para trás e ela me olhava com lágrimas nos olhos (encho os olhos de lágrimas agora ao lembrar) querendo pedir talvez que eu não fosse, no entanto ela disse assim: meu filho, não conheço os caminhos por onde você vai, mas eu conheço muito bem os caminhos do mundo e sei, posso te dizer que não é nada fácil, você não vai ser o primeiro e nem será o último a deixar sua casa em busca de felicidade, nada será fácil, existirão dificuldades que você não conhece, pessoas que vão te abraçar e que nem sempre terá um abraço sincero, pessoas que vão te parecer rudes, mas que no fundo quem sabe poderão estar querendo ajudar, saiba distinguir umas das outras, respeite a opinião de todos, não seja mal educado com ninguém, saiba ouvir mais do que falar, seja leal aos amigos e honesto nos negócios, e, se por acaso, que Deus o livre, não der certo, volte meu filho, esta casa ainda é sua, sua cama vai estar arrumada, seu prato preferido e sua xícara que tanto gosta e só toma o seu café com ela vão estar na mesa. Não se preocupe que eu falarei com seu pai quando ele chegar do trabalho, e não deixe nada te tirar da rota, do teu objetivo, do teu sonho. Vá com Deus, o mundo está à sua frente, você jamais estará sozinho, estarei pensando e torcendo por você.
Que Deus o abençoe.

Que eu me lembre, depois de andar uns 100 metros, olhei pra trás, e ela estava lá, com aquele seu vestido simples e o avental branco amarrado na cintura, olhando e com certeza sabendo que eu precisava ir, mas querendo que eu ficasse.
Não sei se valeu a pena, talvez tenha perdido mais do que conquistado, mas a lembrança desse dia jamais saiu da minha memória. "

A música esteve presente na trilha sonora do filme “Os Dois Filhos de Francisco” (Zezé Di Camargo e Luciano – 2005).

"NO DIA EM QUE EU SAÍ DE CASA"
(Joel Marques)

No dia em que eu saí de casa
Minha mãe me disse:
Filho, vem cá!
Passou a mão em meus cabelos
Olhou em meus olhos
Começou falar
Por onde você for eu sigo
Com meu pensamento
Sempre onde estiver
Em minhas orações
Eu vou pedir a Deus
Que ilumine os passos seus...

Eu sei que ela
Nunca compreendeu
Os meus motivos
De sair de lá
Mas ela sabe
Que depois que cresce
O filho vira passarinho
E quer voar...

Eu bem queria
Continuar ali
Mas o destino
Quis me contrariar
E o olhar
De minha mãe na porta
Eu deixei chorando
A me abençoar...

A minha mãe naquele dia
Me falou do mundo como ele é
Parece que ela conhecia
Cada pedra que eu iria
Por o pé
E sempre ao lado do meu pai
Da pequena cidade
Ela jamais saiu
Ela me disse assim:
Meu filho vá com Deus
Que este mundo inteiro é seu...

Eu sei que ela
Nunca compreendeu
Os meus motivos
De sair de lá
Mas ela sabe
Que depois que cresce
O filho vira passarinho
E quer voar...

Eu bem queria
Continuar ali
Mas o destino
Quis me contrariar
E o olhar
De minha mãe na porta
Eu deixei chorando
A me abençoar
E o olhar
De minha mãe na porta
Eu deixei chorando
A me abençoar
E o olhar
De minha mãe na porta
Eu deixei chorando
A me abençoar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário