terça-feira, 20 de novembro de 2012

Força Estranha

Música composta por Caetano Veloso (1942) no ano de 1978.

Consta no livro “Roberto Carlos em Detalhes” que no início de 1978, Caetano Veloso encontrou Roberto Carlos por acaso em um dos corredores da TV Globo. No momento em que o abraçava, Roberto comentou que Caetano estava um garotão bonito, como se o tempo não passasse para ele. "Você também, Roberto, está muito bem", retribuiu Caetano. "É, bicho, artista nunca envelhece", disse-lhe Roberto Carlos.
Caetano Veloso ficou com essa frase na cabeça e a partir dela compôs a canção “Força Estranha”, que tem em uma das estrofes os versos: "Eu vi muitos cabelos brancos na fronte do artista/ o tempo não pára e, no entanto, ele nunca envelhece...". Enquanto compunha a canção, Caetano Veloso já pensava na voz de Roberto Carlos cantando aquelas palavras.
Tão logo a concluiu, gravou-a ao violão numa fita cassete e mandou para Roberto Carlos. O cantor ouviu com atenção e gostou, mas pediu uma mudança. Ele ficou incomodado com a palavra "estranha", que para ele remetia a alguma coisa negativa. Em casos assim, ele geralmente pede ao autor para trocar a palavra. Entretanto, no caso de “Força Estranha”, a mudança da palavra não era tão simples, pois iria desfigurar a canção a partir do próprio título. O cantor então acrescentou o "no ar" para aquela
"força estranha" ficar mais leve, ficar para fora, não ficar com ele.

A canção esteve presente na trilha sonora da novela “Os Gigantes (1979/1980 - Gal Costa).

FORÇA ESTRANHA
(Caetano Veloso)

Eu vi um menino correndo
eu vi o tempo brincando ao redor
do caminho daquele menino,
eu pus os meus pés no riacho.
E acho que nunca os tirei.
O sol ainda brilha na estrada que eu nunca passei.
Eu vi a mulher preparando outra pessoa
O tempo parou pra eu olhar para aquela barriga.
A vida é amiga da arte
É a parte que o sol me ensinou.
O sol que atravessa essa estrada que nunca passou.
Por isso uma força me leva a cantar,
por isso essa força estranha no ar.
Por isso é que eu canto, não posso parar.
Por isso essa voz tamanha.

Eu vi muitos cabelos brancos na fronte do artista
o tempo não pára no entanto ele nunca envelhece.
Aquele que conhece o jogo, o jogo das coisas que são.
É o sol, é o tempo, é a estrada, é o pé e é o chão.
Eu vi muitos homens brigando. Ouvi seus gritos
Estive no fundo de cada vontade encoberta,
é a coisa mais certa de todas as coisas.
Não vale um caminho sob o sol.
É o sol sobre a estrada, é o sol sobre a estrada, é o sol.
Por isso uma força me leva a cantar,
por isso essa força estranha no ar.
Por isso é que eu canto, não posso parar.
Por isso essa voz tamanha. 

5 comentários:

  1. Caetano Veloso é mesmo inexcedível, maravilhoso. Letra magnífica. A gravação, seus arranjos e a voz inebriante de Roberto Carlos fazem vir lágrimas aos olhos, emocionam. Destaque para os instrumentos que acompanham a gravação: um encanto!

    ResponderExcluir
  2. Ficaria muito feliz se puderem informar quais os instrumentos que acompanharam Roberto Carlos na gravação original de Força Estranha. São múltiplos, e não sei o nome de todos. Agradeço se publicar aqui. Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  3. Essa música é maravilhosa! Foram gravadas inúmeras versões, mas nenhuma é melhor do que na voz do Roberto!

    ResponderExcluir
  4. As intenções de Caetano Veloso nessa música sugerem a metafísica....

    ResponderExcluir